Leonardo Godim para O Poder Popular.

Fotos de Ana Vieira

Wellington Lemos participa pela primeira vez das eleições municipais de Belo Horizonte, disputando uma cadeira na Câmara dos Vereadores. Com 49 anos de idade e 47 anos morando no bairro Alípio de Melo, Wellington decidiu participar dessas eleições após décadas vendo o descaso do poder público em relação as demandas dos trabalhadores que moram no bairro Alípio de Melo. São essas demandas que ele pretende levar ao debate nessas eleições.

Wellington é casado e trabalha na área do comércio desde o início da carreira profissional, tendo passado por livrarias, gráficas, indústria, e há dois anos trabalha na Leroy-Merlin. Ele é ex-aluno do Polivalente, a EE Professor Alisson Pereira Guimarães, onde estudou até o primeiro ano do Ensino Médio. Participa há cinco anos da Associação Comunitária Alípio de Melo, onde participou de ações de solidariedade entre moradores.

A principal demanda que Wellington levanta é a de abertura de uma creche no bairro Alípio de Melo. Segundo ele, a falta de uma creche onde os trabalhadores possam deixar seus filhos para ir ao trabalho ou procurar emprego é um problema grave na região, e os moradores pedem uma resposta. Com a crise, tem crescido o número de famílias que não conseguem arcar com os altos custos das creches privadas. É responsabilidade do poder público a garantia do direito à educação infantil e ao trabalho, dois direitos que são violados pela falta de creches públicas.

Outra bandeira que o candidato defende é a construção de uma ciclovia na Avenida Heráclito Mourão de Miranda. Wellington afirma que se trata de uma obra de baixo custo, pelo desenho da avenida, e que diminuiria os vários acidentes que acontecem na região, como o atropelamento de ciclistas. Uma ação pequena, mas que caso seja menosprezada pelo poder público, pode custar mais vidas.

Wellington quer reverberar as necessidades de seu bairro no debate público. Criado na região, o candidato conhece com muita familiaridade os problemas que afetam a vida dos moradores, que veem uma falta de representação de suas demandas nas candidaturas da cidade. É  buscando dar voz e vez para o Alípio de Melo que Wellington entra na chapa do Partido Comunista Brasileiro, mostrando que os comunistas estão ao lado do povo nas suas lutas e reivindicações.