A luta pela legalização do aborto mobilizou centenas de ativistas e lideranças de movimentos feministas e populares em ato na Praça Sete, em Belo Horizonte, no dia 8 de agosto. A pré-candidata a deputada federal, pelo PCB, Renata Regina, ativista há muitos anos em defesa dos direitos da mulher, participou da manifestação, junto com militantes do Coletivo Feminista Classista Ana Montenegro (CFCAM).
A intervenção de Renata destacou que uma, entre 5 mulheres, já realizou aborto e, sendo ilegal, é feito em péssimas condições, levando à morte de uma mulher a cada dois dias, consequência da proibição. Este quadro faz com que a realização do aborto clandestino seja a 3º principal causa de morte de mulheres no Brasil.
“São mulheres negras, pobres e jovens que não possuem recursos para fazer o aborto em clínicas e hospitais em condições seguras. Quem tem dinheiro faz o aborto com segurança, quem não tem, morre”. Renata destacou que “a  proibição significa pena de  morte para as mulheres, somente a legalização pode colocar fim a essa grande quantidade de mortes de mulheres.”
“As mobilizações das mulheres devem ser juntas as lutas da classe trabalhadora, contra os retrocessos em curso, o avanço do conservadorismo, o patriarcado e o capitalismo, que garante à burguesia todos os direitos, enquanto aumenta a exploração à classe trabalhadora”, afirmou Renata. O ato foi encerrado na praça da Estação por volta de 19h.