Por Hormindo Pereira de Souza Junior*

Qual é a origem dos preconceitos, das discriminacões, da xenofobia? São expressões da opressão. As opressões são produzidas pela necessidade da exploração de uns sobre outros. Como entāo se ver livre dos preconceitos, das disctiminaçőes, da xenofobia? Se livrando das opressões. Como se livrar das opressões? Livrando-se da necessidade da exploraçāo de uns sobre outros.

A exploração de uns sobre outros é a base material de relações sociais construídas historicamente pela necessidade da acumulaçāo privada da riqueza. A riqueza é o resultado da produçāo social. Tem se tornado cada vez mais necessário a incorporaçāo de grandes contingentes de pessoas na produçāo da riqueza. As relações sociais que historicamente construímos tem permitido que cada vez mais possamos acumular privadamente grandes quantidades da riqueza socialmente produzidas. A base material dessa relaçāo ou seja, a materialidade dessa relaçāo social é a exploraçāo de uns sobre os outros.

As opressões são mecanismos que possibilitam a exploração de uns sobre os outros. Por isso as opressões, em suas diferentes formas, são sempre violentas. Não há como oprimir um ao outro senão de forma violenta. Toda forma de opressão tem de ser violenta. Tem de violentar o outro para que possa ser explorado.

Os preconceitos, as discriminações, a xenofobia são estruturais. São estruturais porque são o produto de relações sociais historicamente construídas sob a base material da necessidade da exploraçāo de uns sobre outros. A exploraçāo de uns sobre outros é necessária à acumulaçāo privada da riqueza socialmente produzida.

O capital é essa relação social que historicamente tem possibilitado a produçào cada vez mais social da riqueza e sua consequente cada vez mais apropriação privada. O capitalismo é a formaçāo social que mais propiciou e tem se mostrado a que mais propicia o desenvolvimento ótimo dessa relação social. É no capitalismo que o capital encontra seu leito mais próprio, é onde “nada” dando braçadas. O capitalismo é a formação social que historicamente mais desenvolveu as diversas formas de opressāo fundamentais à exploraçāo de uns sobre outros. Por isso os preconceitos, as discriminações, a xenofobia são cada vez mais sutis e cada vez mais violentas. A apropriação privada da riqueza socialmente produzida é a base material da violência. Não há como apropriar privadamente a riqueza senão de forma violenta.

Eis porque os preconceitos, as discriminações, a xenofobia sāo estruturais. Sob a dominaçāo do capital essas formas de garantia da opressāo são e continuarão a ser estruturais. Fazem parte da natureza dessa relaçăo social, são conditio sine qua non à sua existência.

Como nos ver livre delas? Nos vendo livres do capital. Por último. O fim dos preconceitos, das discriminações, da xenofobia está diretamente relacionada com o fim da propriedade privada.

GEORGE FLOYD não morreu, continua vivo!

Belo Horizonte, 09 de junho, 2020

* Professor do Departamento de Administração Escolar da Faculdade de Educação da UFMG. Pesquisador no Grupo de Pesquisas sobre Marx, Trabalho e Educação – GEPMTE