Durante a Campanha Eleitoral que elegeu Kalil, alguns desavisados, não por falta de avisos, mas por falta de interesse em investigar quais eram as origens do candidato, tido até hoje como empresário, ofereceram um almoço em um grande restaurante do Buritis ao antigo Presidente do Atlético.

Em troca, foi usada a promessa do candidato de abrir a famosa Caixa Preta da BHTrans.

Pois bem, passados alguns meses, o Grande Prefeito, depois de exaustivas investigações, chegou à conclusão que a tal de Caixa não existia.

E veio a público fazer esta declaração em alto e bom som.

Acontece que, entre outras mazelas e ações do Grande Prefeito, como por exemplo ter retirado praticamente todos os direitos conquistados pelos trabalhadores da BHTrans em 27 anos de lutas, 4 greves e muitas perseguições, reduzindo o Acordo Coletivo de Trabalho a praticamente os direitos consagrados pela CLT, constata-se até hoje, a existência da famigerada Caixa Preta.

E, prova disso, somente citando por alto, é que o trabalhador que usa o vale-transporte, se por um motivo ou outro não usou todos os vales que comprou da Transfácil, depois de um certo tempo, perde o direito a esses vales.

Numa conta por alto, calcula-se que o Sindicato Patronal das Empresas de Ônibus de Belo Horizonte, rouba, sim, o nome é esse, dos trabalhadores, anualmente, em torno de R$ 18.000.000 de reais.

E a BHTrans sabedora desse fato, toma alguma providência?

Agora me digam, isso é ou não é uma CAIXA PRETA?

Emanuel Bonfante – 21210
Candidato a Vereador em BH.