PCB homologa candidaturas e coligação com PSOL na Frente Minas Socialista

Os militantes e dirigentes do PCB de Minas Gerais reuniram-se na tarde de sábado, 28, na sede do Sintappi, na rua Timbiras, 2595, para discutir a eleição de outubro, definir candidaturas e coligações, conforme previsto pela legislação eleitoral.

O PCB apresentou uma relação de 11 candidatos para deputado federal, um candidato a deputado estadual, uma das chapas para o senado e a proposta de coligação com o PSOL para a formação da Frente Minas Socialista. Todos os candidatos se fizeram presentes na atividade.

A abertura dos trabalhos

A mesa dos trabalhos foi composta pelo candidato ao senado, Tulio Lopes, candidata a govenador, Dirlene Marques, a vice-governadora, Sara Azevedo, e o representante do Comitê Central do PCB, Eduardo Serra, sendo coordenada pelo dirigente da UJC, Vinicius Lima Guimaraes.

Dirlene Marques – Governadora de Minas Gerais

A candidata ao governo de MG, Dirlene Marques, destacou a importância de oficializar as pre-candidaturas do PCB e a coligação com o PSOL. Esta aliança, destacou Dirlene, dá-se nas lutas politicas da classe trabalhadora em vários lugares do Brasil, não apenas em período eleitoral, mas nas lutas constantes dos trabalhadores. “Temos a possibilidade concreta de eleger parlamentares para a Assembleia Legislativa de MG e para a Câmara Federal para enfrentar os retrocessos em cursos”, disse Dirlene. Finalizando, disse da alegria de estar junto a militância do PCB, que, junto com o PSOL, devem reocupar o espaço da esquerda. “O povo recusa a politica porque conhece somente a politica da troca de favores e do fisiologismo. E esta não eh a nossa politica, queremos mostrar a sociedade um programa que pode efetivamente transformar a sociedade. Somos referencia nas lutas, precisamos ser referencias no processo eleitoral”, concluiu.

Tulio Lopes – candidato a senador

Tulio Lopes, candidato ao senado pela Frente Minas Socialista, afirmou que o “ PCB tem a tarefa de conquistar mandatos vinculados a luta da classe trabalhadora, construindo a Resistencia no pais”, afirmou o candidato a senado. Tulio reafirmou a solidariedade aos povos palestinos, cubano e venezuelano, que resistem aos ataques dos imperialistas e sionistas. Apresentou-se a plataforma do Poder Popular, que norteia as ações do PCB, apontando para a superação do capitalismo, mostrando que a saúde, a educação, o transporte publico e todas as ações devem ser estatuais para atender a população, não para servir aos interesses de lucros dos capitalistas. Importante o partido seguir defendendo a extinção do senado, o PCB defende uma câmara unicameral, mas o principal e a luta em defesa dos interesses da classe trabalhadora e a construção do Poder Popular. Em Minas Gerais tem muita terra sem gente e muita gente sem terra, sendo a reforma agraria uma necessidade. “São algumas das bandeiras dos comunista de Minas Gerais”, afirmou Tulio Lopes.

Saudação do Comitê Central

O representante do comitê central do PCB, Eduardo Serra, destacou a importância das candidaturas de Dirlene, Tulio e de parlamentares socialistas, que atuem no parlamento, mas estejam sempre presente nas ruas junto as lutas do povo, que construção da revolução socialista. Os mandatos parlamentares de comunistas e socialistas tem grande importância para a luta, especialmente pelo momento, com um governo golpista que aplica uma cartilha ortodoxa do neoliberalismo, com politicas do século passado, rasgando a constituição em vários momentos para retirar direitos dos trabalhadores. “Há um recrudescimento do capitalismo no mundo, que aprofunda a exploração dos trabalhadores, ataca países, destruindo nações que tinham sociedades estruturadas e avançadas, como a Líbia, o Iraque e a Síria e sustentando os ataques ao povo palestino”, afirmou Serra. Também manifestou solidariedade ao governo venezuelano, apontando a necessidade de se avançar ao socialismo nesse pais, sob o risco de cair devido aos constantes ataques do imperialismo. “A Nicarágua sofre os mesmo ataques que a Venezuela enfrenta”. Nesses países o povo esta na rua mostrando que apoia os processos revolucionários em construção. “O socialismo esta mais vivo do que nunca. O comunismo foi a proposta mais generosa que a humanidade já criou”, finalizou.

A candidata a vice-governadora, Sara Azevedo, destacou que a unidade do PCB e PSOL, vem das lutas estudantis, como ocorrida no congresso da UEE-MG. A luta dos professores, contra o arrocho do governo estadual de MG, esta sendo travada em unidade com os verdadeiros militantes das lutas populares, que estes partidos representam. Temos condições objetivas de eleger parlamenteares, concluiu.

Eloisa Helena, candidata suplente de senador, afirmou que a convenção mostra que a esquerda se une, a prova esta na Frente Minas Socialista. Destacou a importância da organização da resistência popular e que as lutas devem ser no parlamento e nas ruas. Emanuel Bonfante, também suplente ao senado, reafirmou a importância da campanha dos comunistas para resgatar a indignação e a luta do povo.

O PCB homologou as candidaturas de Dirlene Marques, como candidata ao governo de Minas Gerais, que tem como Vice, Sara Azevedo. Para o senado foi indicado Tulio Lopes (PCB), tendo como primeiro Suplente, Eloisa Aquino (PSOL) e Emanuel Bonfante (PCB).

Para Deputado estadual apresenta o nome de Daniel Cristiano, que reafirmou o caráter internacionalista do PCB, somos o partido que sintetiza a luta diária da classe trabalhadora.

Para a Câmara Federal foram homologados 11 (onze) candidaturas:

Renata Regina – “entendemos a importância da participação no processo eleitoral, buscando capilaridade, aprofundar a consciência de classe e organizar a luta da classe trabalhadora”.

Bruna Thariny – Avançar na criação do Poder Popular para enfrentar o sistema que destrói a vida, a natureza e a dignidade humana.

Artur Miranda – Coloca-se novamente como candidato para atender a tarefa do partido.

Pedro Franco – Destacou a importância da esquerda militar, citando Luís Carlos Prestes, como um grande exemplo de comunista. Defendeu a desmilitarização das policias no Brasil.

Prof. Agnaldo Alexandre – Destacou a importância da defesa dos direitos dos professores e de investimento no transporte ferroviário em MG.

Paloma Silva – Acredita que somente o comunismo poderá barrar a barbárie que a humanidade enfrenta.

Wagner Schneider – Candidato representando a região do Vale do Aco.

Fernando Federal – o PCB esta presente e crescendo no Vale do Mucuri. A eleição eh uma das tarefas da luta pelo socialismo. A chama do socialismo nunca se apagou.

Fabricio Avelino – Sente-se o caçula a cumprir esta tarefa de candidato pelo PCB. Sente-se firme resistente sem perder a ternura, vale a pena lutar quando se eh comunista.

Zulu – Eh preciso lembrar quantos perderam a vida para que pudéssemos estar aqui. Resgatar a luta dos quilombolas eh fortalecer a luta pela reforma agraria. Sem revolução não conquistaremos o socialismo.

Luiz Fernando – Sente-se honrado por ser candidato pelo PCB. Um erro que os comunistas nunca cometeram foi o de se omitir do debate e da luta. A direita avança neste momento o que exige o enfrentamento em todos os campos.

A convenção do PCB de Minas Gerais mostrou a vitalidade e juventude do partido, dos ideias socialista e da necessidade de enfrentar a violência do capitalismo, dos retrocessos em curso e de, neste momento, assegurar a vitória dos candidatos da Frente Minas Socialista.

Domingo, 29, os dois partidos estarão reunidos fechando o programa unitário de governo para a eleição de MG. NO final de tarde a militância estará reunida na Casa dos Jornalistas de MG pra comemorar a undiade e a efetivacao da coligacao entre o PCB e PSOL.

Francisco Neles e Fábio Bezerra encerraram a convenção lembrando a história e saudando os mártires da luta revolucionária do povo brasileiro.